Segunda-feira, 25 de Junho de 2007

uma jóia de moço

 

Nunca fui um fulano que suscitasse consenso absoluto, nomeadamente por quem não me conhece ou sequer priva comigo. De certa forma, pode-se dizer que sou um tanto ou quanto polémico sem na verdade o querer ser. Tudo bem, para ser sincero, também não evito polémicas. Em algumas situações, por vezes sou eu que ateio o fogo e mando achas para a fogueira. Contudo, também sou o primeiro a chegar-se à frente para deitar água na fervura ou mesmo para fazer o rescaldo. Esta minha maneira de ser, ou estes meus comportamentos, por vezes trazem-me dissabores. Principalmente quando sou julgado à revelia, embora não tenha por hábito fazer caso do que os outros pensam ou dizem de mim. Para ser franco, e ao mesmo tempo brejeiro, estou-me um pouco a cagar para isso. Porém, gosto de dar as devidas explicações mesmo a quem se está também cagando para os meus argumentos. Isto porque faço questão que conheçam as minhas razões mesmo que eu não tenha razão. Sempre vivi bem com os meus defeitos e absolutamente consciente dos mesmos. Assim como também estou ciente das minhas limitações e duma ou outra virtude que tenho. Sim, eu sei fazer coisas. Ou melhor, sei fazer uma coisa e por vezes ainda outra coisa. Tudo bem, eu sei que não são coisas por aí além mas até são coisas que faço bem.

 

Por outro lado, as pessoas que têm o prazer ou o infortúnio de conviver de perto comigo, estão também elas conscientes do sacana que sou. No entanto, e com estas, eu sou sempre sincero e honesto em tudo o que faço. Para o bem ou para o mal. Bem vistas as coisas, e se chegámos ao ponto de convivermos, tanto dum lado como do outro, há como que uma reciprocidade de aceitação. Todavia, não existe uma imposição de ambas as partes. Sim, porque quer queiramos quer não, tem sempre que haver tréguas para que as diferentes personalidades não choquem. E eu choco-me com muita gente e, da mesma forma, muitos se chocam comigo. Só que neste caso, a culpa não morre solteira… Reconheço que é fácil os outros esbarrarem com o meu mau feitio mas ao mesmo tempo também é igualmente fácil surpreenderem-se com alguns laivos do meu bom feitio. Sim, eu também tenho um bom feitio, o problema é que está por detrás dalgumas camadas dum feitio filho-da-putice. O segredo é sempre a forma como me abordam. Não recomendo que me atirem uma primeira pedra pois eu tenho permanentemente duas pedras na mão. Aliás, eu sou um autêntico calhau. Com dois olhos, e tudo! Deveras que, com o tempo, as pessoas aprendem a lidar comigo. Aprendem também a saber levar-me no bico. E não pensem que isto tem alguma conotação sexual.

 

Quem quiser algo de mim, tem que saber quais são os meus pontos fracos. E eu tenho alguns... Principalmente porque sou um tipo prestável, ao qual muita gente recorre pelas mais variadíssimas razões. Quando quero, eu até faço, mas a maneira como me pedem é a engrenagem que me estimula ou não fazer. Tanto seja por motivos pessoais como profissionais, algumas pessoas dependem de mim, logo todas estas sabem o que me dizer para eu as poder corresponder. Por cada pessoa que não vai com a minha cara, há outras tantas que gostam de mim e algumas até me defendem com unhas e dentes. A estes, costumo dizer que os enganei bem enganados, mas no final do dia são sempre os maiores recompensados. Para elevar o meu ego, que chega a ser enorme, não necessito de palmadinhas nas costas ou festinhas pelo pêlo. Preciso, isso sim, da amizade dos meus amigos e do amor dos que amo. Ah, e de quando em vez, visitar os prédios onde vivem as minhas avós. Sim, desde o rés-do-chão até ao último andar, aquelas velhotas que me viram crescer, apertam-me as bochechas e enchem-me de beijos. Sim, aquilo é a minha verdadeira escalada para a glória. Por fim, e quando chego finalmente a casa das minhas avós, sou recebido como um santo. Para elas, que já me trocaram as fraldas e ainda andam comigo ao colo, eu serei sempre: uma jóia de moço.

 

Um abraço...

shakermaker

 

para ver: The Saint » Val Kilmer /E.Shue
para ouvir: Saint Of Me por The Rolling Stones em Bridges To Babylon
blogjob por shakermaker às 00:00

ISOLAR POST | RECOLHER POST
De jedinha a 26 de Junho de 2007 às 16:24
Todos temos os nossos defeitos e qualidades e não podemos agradar a todo o mundo...
Importante é sermos nós próprios e assumirmo-nos como tal.
Pareçe-me ser o seu caso, por isso tá-se bem!
Beijos
Cris
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.
Blog Widget by LinkWithin

»posts & blogjobs

» música menstrual

» o amor faliu

» dead man walking

» alive and kicking

» saudade amolece

» música para gente grisalh...

» penálti de cabeça #01

» café puro

» mais (es)perto da estupid...

» do caixão ao berço

» você bate no seu pc?!

» parebenizar & desvaloriza...

» bamboleo bambolea

» subindo paredes

» videoclip #05

» recycle bin

» saturday night sweat

» deixem-me em paz!

» working class hero

» a frase feita: o lugar-co...

» foram espinhos contra ros...

» há coisas que eu sei

» (quase) tudo sobre justiç...

» videoclip #04

» surrealizar por aí

» (com)postura corporal soc...

» todos juntos somos mais

» (quase) tudo sobre cortej...

» amor: um silêncio coniven...

» o cintilante não é brilha...

» a conspiração do semáforo

» as lesmas & as alfaces

» molhar as partes pudibund...

» presos pelo nariz

» dog bless america

» inferência das coincidênc...

» eu acredito no mosquito

» quem tem o gay na barriga...

» tira-nódoas vs tira-teima...

» um eco do prazer

» estou cansado de ser sexy...

» amor: reavivando a memóri...

» cosmética sexual #02

» cosmética sexual #01

» amor: brincando com o fog...

» cravados na mente

» o universo paralelo

» mistério do objecto invis...

» 7 e picos, 8 e coiso, 9 e...

» #33

»séquito & móinas

»feeds & não-sei-quê

»tags

» todas as tags