Segunda-feira, 7 de Dezembro de 2009

você bate no seu pc?!

 
O animismo faz-nos atribuir propriedades sobrenaturais aos animais – até mesmo propriedades humanas – mas também o fazemos com objectos materiais tais como os computadores. Sim, esses malvados que sabem exactamente quando é que vamos carregar no botão “guardar” e agilmente, um micro segundo antes, decidem crachar. Porém, não é de estranhar, pois os computadores foram criados por génios e depois lançados a idiotas como nós para nos fazer entrar em parafuso. O homem pós-paleolítico, com a sua ciência animista, limita-se a fazer uma dança tipo ritual à volta da criação do génio que acabou de entrar em colapso sem razão aparente. Uma dança com cânticos guerreiros tentando invocar alguma espécie de intervenção divina: “ – O quê!? Como é que foste capaz de me fazer isto?! Puta que te pariu! " Praguejar nem sempre funciona, sobretudo em questões de fé, mas no que toca a objectos, como os computadores, estes portam-se melhor quando lhes praguejamos. Sobretudo quando acrescentamos às nossas pragas uns tantos tabefes ou simples pancadas secas na estrutura do nosso PC. É desconhecida a psicologia do praguejar, embora diga-se ser uma forma de aliviar a tensão entre nós e os objectos que não nos respondem. Há que mostrar quem manda!
 
Não deixa de ser estranho que quanto mais alto praguejamos, mais depressa os objectos cedem. Assim como um espirro alivia o canal nasal, um insulto varre o córtex e deixa a mente mais capaz de lidar com os problemas entre nós e as tais máquinas. No entanto, se tivermos um ataque de fúria e pontapearmos o nosso computador como se não houvesse amanhã, não adianta praguejar pois as peças soltas ou danificadas não voltam ao sítio: pois isso seria cairmos no animismo fácil. O que nos poderia levar a acreditar em crenças pouco fidedignas sobre todo o tipo de coisas que nos rodeia. Ou seja, praguejar tem regras e não serve qualquer impropério, assim como dar pancada não pode ser levado à bruta mas sim com jeitinho. Todavia, antes de praguejar, bater e fazer trinta por uma linha aos seus objectos eléctricos ou mecânicos, nunca deixe que os mesmos se apercebam até que ponto tem pressa. Não é que os objectos se virem contra si ou que o firam, nem tão-pouco têm sentimentos. Porém, são caprichosos e demonstram-nos o quanto somos cobardes. Mais depressa descarregamos a fúria dando porrada aos nossos cônjuges, filhos e animais, do que o fazemos com os nossos objectos predilectos. Somos mais condescendentes quando nos sentimos impotentes (!)
 
Um abraço...
shakermaker

 

para ver: The Matrix » Fishburne/CA Moss
para ouvir: Electioneering por Radiohead em OK Computer (1997)
blogjob por shakermaker às 00:00

ISOLAR POST | DESANCAR POST | RECOLHER POST
17 LINCHAMENTOS:
De mfc a 8 de Dezembro de 2009 às 18:53
Ainda não cheguei a esse ponto de lhe dar uma marretada... mas às vezes apetece-me bem!!!

A nossa racionalidade raramente anda connosco...
De Manefta a 10 de Dezembro de 2009 às 12:11
Ora Viva Canudo!!

Olha...isto ainda mexe! Sou do tempo em que este estaminé mandava uma posta por dia para o mundo...que bom...estou a ficar velha.
Ora...o coiso que num coisa...realmente é fedidu e nem sei como é que agente se aguenta com tanto crachamento antes do momento, daquele, o tal, esse.
É caso de virar prá conjugue, pró filho e pró animal e dizer....I see live computers playing dead....weird dude.
Tenho para comigo que o acto de dar porrada no coiso não é lá muito condescendente com o seu estado decadente, mas também pode estar a falar de outra coisa, daquilo, disso, isso...e ai já concordo, plenamente e, até lhe dou duas palmadinhas, nas costas.
Eu bato e você?

Abraço,
e volto sempre lol
Manefta
De Zeze a 10 de Dezembro de 2009 às 20:10
Olá Amigo

É Verdade isso, muitas vezes não há paciência para as maluqueiras do PC, parece como as Mulheres, quando passamos a mão pelo pêlo pensam logo que fizemos merda, e não estão para ai viradas... :)

Um abraço
De la vie en long-métrage a 10 de Dezembro de 2009 às 23:31
Boa noite!

Eu tenho-me como o exemplo perfeito da pequena pancadaria/praguejar em objectos electro-mecânicos. Sou daquele tipo de pessoas que até percebe um pouco mais que o básico - não sendo de todo um expert em qualquer matéria - mas que perde rapidamente a calma com os meus objectos. Para mim as máquinas foram feitas para trabalhar correctamente, e quando isso não acontece, um castigo apropriado - mas nunca demasiado "físico - é mais do que devido. E é mesmo isso que lhes dou |!|

Um abraço
De tron a 13 de Dezembro de 2009 às 01:55
Bater não bato, chamo-lhe de tareco e chamo-lhe o mesmo que chamo ao Sócrates e aos arbrtos de futebol quando começa a encravar, te convido a passar no meu recanto que vais ter com que te entreteres e a uns tempos quando me recomendaste o disco dos queen life killers, te agradeço a recomendação porque simplesmente o adoro
De pitecos a 14 de Dezembro de 2009 às 18:18
Uma vez por outra arreava um valentes pontapés no meu velho Mac, mas, agora o meu novo Mc já não tem cu...
Abraço do Zé e boas ... boas coisas!...
De PrincesaVirtual a 16 de Dezembro de 2009 às 10:32
Eu não bato no meu pc. Tenho medo de me descontrolar e ele é um bem precioso para mim. E se o filho da mãe amuasse e não arrancasse???
No outro dia estava irritada e teclava com força as teclas de tal forma que não sei como aconteceu, mas as minhas longas nails, espetaram-se por debaixo das teclas e zás, elas voaram... (algumas e importantes). Resultado andei 45 minutos de gatas no chão, de rabo para o ar à procura da porcaria das teclas!!!!

Não!!... com o meu pc sou controlada!

:D

Beijos
De Joker a 18 de Dezembro de 2009 às 10:12
Boas.

Normalmente utilizo o computador para desancar na malta que me manda mails .

Mensagem virtual... soco virtual!

Se alivia? Então não alivia! O pior são as contas da reparação do monitor!

Bom post .

Abraço.
De tron a 17 de Janeiro de 2010 às 13:15
Espero que estejas bem, já faz tempo que dás sinal de vida
De MalucaResponsavel a 17 de Janeiro de 2010 às 21:26
deixo-te um beijo

desancar shakermaker

Blog Widget by LinkWithin

»posts & blogjobs

» música menstrual

» o amor faliu

» dead man walking

» alive and kicking

» saudade amolece

» música para gente grisalh...

» penálti de cabeça #01

» café puro

» mais (es)perto da estupid...

» do caixão ao berço

» você bate no seu pc?!

» parebenizar & desvaloriza...

» bamboleo bambolea

» subindo paredes

» videoclip #05

» recycle bin

» saturday night sweat

» deixem-me em paz!

» working class hero

» a frase feita: o lugar-co...

» foram espinhos contra ros...

» há coisas que eu sei

» (quase) tudo sobre justiç...

» videoclip #04

» surrealizar por aí

» (com)postura corporal soc...

» todos juntos somos mais

» (quase) tudo sobre cortej...

» amor: um silêncio coniven...

» o cintilante não é brilha...

» a conspiração do semáforo

» as lesmas & as alfaces

» molhar as partes pudibund...

» presos pelo nariz

» dog bless america

» inferência das coincidênc...

» eu acredito no mosquito

» quem tem o gay na barriga...

» tira-nódoas vs tira-teima...

» um eco do prazer

» estou cansado de ser sexy...

» amor: reavivando a memóri...

» cosmética sexual #02

» cosmética sexual #01

» amor: brincando com o fog...

» cravados na mente

» o universo paralelo

» mistério do objecto invis...

» 7 e picos, 8 e coiso, 9 e...

» #33

»séquito & móinas

»insultar shakermaker

»feeds & não-sei-quê

»tags

» todas as tags