Quarta-feira, 22 de Julho de 2009

amor: um silêncio conivente

 

 

A conivência é uma palavra ainda mais misteriosa do que o amor. Porém, ao mesmo tempo, é bem mais precisa. Convir não é só a piscadela de olho, a piscadela duma só pálpebra, o sinal brusco de um reconhecimento. Também não é fechar os olhos involuntariamente ou adormecer. Tal como levantar o sobrolho não é mais do que instigar sobre o que podemos obter por quanto queremos dar. Convir é mais do que tudo isso: é baixar as pálpebras juntas, de modo premeditado, de jeito apoiado. Deixá-las cerrar lentamente sobre os dois globos oculares e apertá-las ao ponto de pequenas pregas as franzirem. Este sinal de pele referente ao olhar, e não oferecendo senão as pálpebras, é sinal duma cordialidade tácita. Uma combinação mútua. Porque fechar os olhos sobre alguma coisa quer simplesmente dizer deixar fazer. Por vezes não queremos ver o que o nosso cúmplice vai, ou quer, fazer. O sentido real da conivência é como uma indulgência antecipada. Ao invés da cumplicidade tolerante, da predição silenciosa, da mera cordialidade das meias palavras ou dos acordos pecaminosos com colaborações morais. Os apaixonados são coniventes: eles ardem juntos na mesma paixão. Contudo, queimam-se de diferentes maneiras pois a sua combustão depende do quanto bate o seu coração. Na conivência entre os amantes são os olhos que marcam a vontade de não siderar. Os olhos fecham-se ao mesmo tempo e da mesma maneira como se fossem parte duma mesma  adivinhação silenciosa. Sobre aquilo que querem, sobre aquilo que sentem. Mas a conivência é como o amor num estado avançado. Naquele ponto em que a linguagem corporal se torna ainda mais forte que a linguagem gramatical. Se houvesse uma só palavra para explicar a conivência, o amor seria tão-somente uma mera palavra conivente.
 
Um abraço...
shakermaker
 
amor: brincando com o fogo
 
amor: reavivando a memória
 
para ver: Two Lovers » Phoenix / Paltrow
para ouvir: Enjoy The Silence por Depeche Mode em Violator (1990)
blogjob por shakermaker às 00:00

ISOLAR POST | RECOLHER POST
Blog Widget by LinkWithin

»posts & blogjobs

» música menstrual

» o amor faliu

» dead man walking

» alive and kicking

» saudade amolece

» música para gente grisalh...

» penálti de cabeça #01

» café puro

» mais (es)perto da estupid...

» do caixão ao berço

» você bate no seu pc?!

» parebenizar & desvaloriza...

» bamboleo bambolea

» subindo paredes

» videoclip #05

» recycle bin

» saturday night sweat

» deixem-me em paz!

» working class hero

» a frase feita: o lugar-co...

» foram espinhos contra ros...

» há coisas que eu sei

» (quase) tudo sobre justiç...

» videoclip #04

» surrealizar por aí

» (com)postura corporal soc...

» todos juntos somos mais

» (quase) tudo sobre cortej...

» amor: um silêncio coniven...

» o cintilante não é brilha...

» a conspiração do semáforo

» as lesmas & as alfaces

» molhar as partes pudibund...

» presos pelo nariz

» dog bless america

» inferência das coincidênc...

» eu acredito no mosquito

» quem tem o gay na barriga...

» tira-nódoas vs tira-teima...

» um eco do prazer

» estou cansado de ser sexy...

» amor: reavivando a memóri...

» cosmética sexual #02

» cosmética sexual #01

» amor: brincando com o fog...

» cravados na mente

» o universo paralelo

» mistério do objecto invis...

» 7 e picos, 8 e coiso, 9 e...

» #33

»séquito & móinas

»insultar shakermaker

»feeds & não-sei-quê

»tags

» todas as tags