Sexta-feira, 17 de Julho de 2009

o cintilante não é brilhante

 

Quantos mais botões e luzes a piscar, pior funciona. De facto, quando vemos luzes a piscar sobre linhas aerodinâmicas, desperta-se na memória coisas associadas com filmes de ficção científica, naves espaciais, inteligência superior, alta tecnologia, multifuncionalidades ou computadores quânticos que custam biliões de euros. Só que uma parte do nosso cérebro também devia, ao mesmo tempo, calcular que, se foi gasto um orçamento tão grande naquele aparato, não pode ter sobrado muito dinheiro para que o interior funcione em condições. Só que a nossa consciência é soterrada por uma memória mais sedutora, inspirada nas tais luzinhas intermitentes que nos despertam a atenção. Estes estímulos foram investigados pela psicologia moderna em estudos com – nada mais, nada menos – algumas gaivotas. É verdade, e constataram nas suas observações que se um ovo falso fosse colocado no ninho era tratado como sendo da família. Contudo, se o ovo fosse enorme e reluzente, as gaivotas tratavam-no com mais empenho e dedicação. Aliás, os animais tal como nós, são atraídos por tudo aquilo que reluz ou cintila. Veja-se, por exemplo, a cauda dos pavões. Todo o tipo de teorias foram avançadas para o crescimento extraordinário da cauda dos pavões. Sob o ponto de vista da mera sobrevivência, este é uma peça de bagagem desastrosa para se transportar de um lado para o outro. Só que os pobres coitados dos pavões doutra forma nunca encontrariam uma companheira, por isso é que precisam deste equivalente aviário das nossas luzes intermitentes(!)
Ora, o acto de empacotar alguma coisa tende a desvirtuar a nossa percepção sobre o seu conteúdo: uma grande caixa significa um grande objecto lá dentro. Somos constantemente induzidos em erro pela publicidade que nos aprisiona a inteligência o tempo suficiente para nos extorquir dinheiro. Por mais que achemos que não se deve comprar um livro pela capa, não deixa também de ser verdade que as primeiras impressões são sempre importantes. Antes de sequer abrirem a boca, ao estarmos perante duas mulheres sentadas – lado a lado – mesmo à nossa frente, por qual das duas sentimos uma maior empatia? Por aquela que tiver um maior, e sobretudo melhor, decote. O que não quer dizer que a mulher preterida não tenha um par de mamas mais perfeito: só que não se vê! Porém, se esta tiver um letreiro dizendo que tem um peito com tamanho 103-105, copa D, 100% natural, então paramos para pensar. Ficamos diante dum paradigma: escolher o produto que vislumbramos parcialmente e que nos despertou de imediato a atenção ou, por outro lado, escolhemos um produto que não vemos mas que segundo as características parece ser promissor. No fundo, é um pouco como aqueles anúncios dos TFT ou Plasmas cujos ecrãs têm 42 polegadas mas só se os medirmos na diagonal. Da mesma forma que certos decotes só se seguram dentro dum bom soutien(!)
Assim, alguns produtos anunciam uma nova fórmula, originalmente moderna, revista e aumentada, oferecendo o melhor deste mundo e do outro, o antigo e o moderno. Porém, na verdade, nem sempre assim acontece. Alguns produtos de ingrediente naturais incluem muitas vezes altos teores de açúcar, gordura e sal naturais. Mas nós gostamos de ver escrito nas embalagens coisas como orgânico, quando na maior parte dos casos isso quer dizer amadurecido. Ou então suculento, que significa literalmente: carregado de gorduras. Por mais etiquetas que ponham nos produtos, por maiores que sejam os ovos, por tão sensuais que sejam os decotes ou por mais que nos pavoneemos, nada nos chamará mais a atenção do que as luzes piscando. Convenhamos que tudo o que brilha, encadeia ou pisca nos chama a atenção. Um mero pinheiro num pinhal passa de certeza despercebido mas com luzes a piscar transforma-se num pinheiro de Natal. Todavia, como referi no início, apesar da parafernália das luzes e do aparato dos brilhos, isso não quer dizer que estejamos perante algo melhor ou mais eficaz. Mas, nalguns casos, pode fazer toda a diferença. Por exemplo, caso as mulheres tivessem uma simples luzinha – nada assim de espalhafatoso – a piscar no clítoris, seriam certamente muito mais felizes(!)
Um abraço...
shakermaker
para ver: Shine A LIght » MartinScorsese
para ouvir: Shine A Light por The Rolling Stones em Exile On Main St.
blogjob por shakermaker às 00:00

ISOLAR POST | DESANCAR POST | RECOLHER POST
12 LINCHAMENTOS:
De Artemisia a 17 de Julho de 2009 às 12:07
Caro Shaker,
Continua a ser um gosto vir ler estes posts! Se não tomo cuidado, fico aqui a ler uma atrás do outro e o trabalho não se faz!
Ex-Morgana do Whattalife... sim, ainda ando por cá.
De http://shakermaker.blogs.sapo.pt a 24 de Julho de 2009 às 18:25
Ora viva!

Cara Artemisia aka Morgana, fico muito satisfeito por continuar a visitar-me. Ou já somos veteranos ou ficámos por cá esquecidos. Mas ainda bem, é sinal que temos assunto, digo eu que penso ainda ter. Obrigado e volte sempre!

Um abraço...
shakermaker
De migalhas a 20 de Julho de 2009 às 12:12
Nunca para desancar, amigo blogger, mas para o saudar e agradecer as visitas e sagazes comentários. Grande abraço e continuemos com esta nossa (boa) tarefa de materializar nos espaços de cada um o q mais nos toca e diz a cada dia. Migalhas
De http://shakermaker.blogs.sapo.pt a 24 de Julho de 2009 às 18:28
Ora viva!

Caro Migalhas, tu materializas muito melhor o que mais te toca, eu limito-me a escrever disparates. Olha, cada um faz o que pode ou sabe. Volta sempre!

Um abraço...
shakermaker

De Darksidemoon a 20 de Julho de 2009 às 13:01
Já merecias que te batessem especialmente por essa do decote. Mas não deixa de ser verdade por isso, nada há a fazer senão acenar e sorrir com a cabeça enquanto lemos este post.

É o exterior que cativa primeiro, não adianta negarmos e depois só depois é que vamos ver o que contém as tais luzinhas no seu interior e aí vem a desilusão (nem sempre... mas acontece).

Beijos,

Sue
De http://shakermaker.blogs.sapo.pt a 24 de Julho de 2009 às 18:33
Ora viva!

Cara Sue, eu realmente mereço levar um enxerto de porrada mas enquanto conseguir escapar, prefiro assim. A embalagem é sempre importante mas se piscar, melhor. Obrigado e volte sempre!

Um abraço...
shakermaker
De zeze a 20 de Julho de 2009 às 13:15
Olá Amigo

Quanto tempo!! Estou a ver que continua a haver sempre pontos de interesse por aqui

Um Abraço
De http://shakermaker.blogs.sapo.pt a 24 de Julho de 2009 às 18:36
Ora viva!

Oh Zézé, vê-se mesmo que não tens cá vindo... Pontos de interesse, aqui? Brincalhão! Obrigado e volta sempre!

Um abraço...
shakermaker

Olha, o teu blog ainda tem aqueles pirilaus?
De PrincesaVirtual a 21 de Julho de 2009 às 14:49
Uma luzinha ondeeeeeeeeeeeeee???? ahahahahaha

Beijos
De http://shakermaker.blogs.sapo.pt a 24 de Julho de 2009 às 18:39
Ora viva!

Oh Princesa, qual é o espanto? Seria muito mais fácil... Vocês, mulheres, só sabem deitar abaixo as ideias que nós, homens, temos para vos agradar. Assim não brinco! Obrigado e volta sempre!

Um abraço...
shakermaker
De cigana a 23 de Julho de 2009 às 02:15
Detesto que me ofereçam um telemóvel com 1000 funcionalidades diferentes e cintilações constantes,como se fosse um alarme ou uma bomba-relógio.
Detesto que me avisem que o carro emprestado tem luzes que piscam como uma árvore de Natal, sinto que ficaria uma semana a tentar adivinhar cada uma.
Não vou dar mais exemplos, mas creio que os homens são mais atraídos por tudo o que brilha, mesmo que não seja ouro.
Pois é, ora como o clítoris não tem semáforos nem GPS, os homens andam às cegas, porque é consabido que também não gostam de perguntar o caminho!
Coitados deles ou de nós?...
De http://shakermaker.blogs.sapo.pt a 24 de Julho de 2009 às 18:42
Ora viva!

Oh Cigana, assim também não ajuda! Hás uns posts atrás sugeri que as mulheres tivessem um GPS rumo ao ponto G mas não gostaram da ideia, agora também não concordam com as luzes a piscar! Bolas, um gajo tem ideias mas depois não são aproveitadas! Obrigado e volte sempre!

Um abraço...
shakermaker

desancar shakermaker

Blog Widget by LinkWithin

»posts & blogjobs

» música menstrual

» o amor faliu

» dead man walking

» alive and kicking

» saudade amolece

» música para gente grisalh...

» penálti de cabeça #01

» café puro

» mais (es)perto da estupid...

» do caixão ao berço

» você bate no seu pc?!

» parebenizar & desvaloriza...

» bamboleo bambolea

» subindo paredes

» videoclip #05

» recycle bin

» saturday night sweat

» deixem-me em paz!

» working class hero

» a frase feita: o lugar-co...

» foram espinhos contra ros...

» há coisas que eu sei

» (quase) tudo sobre justiç...

» videoclip #04

» surrealizar por aí

» (com)postura corporal soc...

» todos juntos somos mais

» (quase) tudo sobre cortej...

» amor: um silêncio coniven...

» o cintilante não é brilha...

» a conspiração do semáforo

» as lesmas & as alfaces

» molhar as partes pudibund...

» presos pelo nariz

» dog bless america

» inferência das coincidênc...

» eu acredito no mosquito

» quem tem o gay na barriga...

» tira-nódoas vs tira-teima...

» um eco do prazer

» estou cansado de ser sexy...

» amor: reavivando a memóri...

» cosmética sexual #02

» cosmética sexual #01

» amor: brincando com o fog...

» cravados na mente

» o universo paralelo

» mistério do objecto invis...

» 7 e picos, 8 e coiso, 9 e...

» #33

»séquito & móinas

»insultar shakermaker

»feeds & não-sei-quê

»tags

» todas as tags