Terça-feira, 3 de Fevereiro de 2009

presos pelo nariz

 

Os odores mais atraentes não têm nome. A sua atribuição deveras impossível quase nos embriaga. Para além do perfume maravilhoso de que nos sentimos envolvidos, de repente, os odores acrescentam o enigma da sua fonte. Não se sabe onde nasce a sua fragrância, nem como se mistura o seu aroma. O odor das ervas secas não nos diz de que relvado nem de que ancinho provém. Os eflúvios do café que emanam pela tampa duma cafeteira dependem de tantos grãos que nunca se saberá ao certo quantos grãos são necessários para repetir o mesmo odor. E estes odores compõem-se entre eles para além de cada percepção individual ou colectiva. Dos frutos maduros até aos frutos demasiado maduros, a fronteira odorífica não demarca um limite brusco. A veemência – imemorável e no entanto depositada em nós, fora de qualquer linguagem ou compreensão – dos odores que surpreenderam numa longínqua infância e que às vezes regressam como um desejo na idade adulta. Com o passar do tempo, o nosso olfacto fica mais apurado e deveras apaixonado com os cheiros de tudo e de todos, quer cheire bem ou quer cheirem mal. Podemos virar um caixote de lixo de pernas para o ar se no meio das sobras houver um odor que nos agrade ou entre os detritos estiver o cheiro que nos enoja. É que tudo tem um odor, seja nauseabundo ou perfumado, que nos deixam presos pelo nariz. O odor é, talvez, um dos mais eficazes inebriantes existentes. O amor é, antes de tudo o resto, amar loucamente o odor do outro.
 
Um abraço...
shakermaker
 
para ver: Scent Of A Woman » Al Pacino
para ouvir: The New Pollution por Beck em Odelay (1996)
blogjob por shakermaker às 00:00

ISOLAR POST | RECOLHER POST
Blog Widget by LinkWithin

»posts & blogjobs

» música menstrual

» o amor faliu

» dead man walking

» alive and kicking

» saudade amolece

» música para gente grisalh...

» penálti de cabeça #01

» café puro

» mais (es)perto da estupid...

» do caixão ao berço

» você bate no seu pc?!

» parebenizar & desvaloriza...

» bamboleo bambolea

» subindo paredes

» videoclip #05

» recycle bin

» saturday night sweat

» deixem-me em paz!

» working class hero

» a frase feita: o lugar-co...

» foram espinhos contra ros...

» há coisas que eu sei

» (quase) tudo sobre justiç...

» videoclip #04

» surrealizar por aí

» (com)postura corporal soc...

» todos juntos somos mais

» (quase) tudo sobre cortej...

» amor: um silêncio coniven...

» o cintilante não é brilha...

» a conspiração do semáforo

» as lesmas & as alfaces

» molhar as partes pudibund...

» presos pelo nariz

» dog bless america

» inferência das coincidênc...

» eu acredito no mosquito

» quem tem o gay na barriga...

» tira-nódoas vs tira-teima...

» um eco do prazer

» estou cansado de ser sexy...

» amor: reavivando a memóri...

» cosmética sexual #02

» cosmética sexual #01

» amor: brincando com o fog...

» cravados na mente

» o universo paralelo

» mistério do objecto invis...

» 7 e picos, 8 e coiso, 9 e...

» #33

»séquito & móinas

»insultar shakermaker

»feeds & não-sei-quê

»tags

» todas as tags