Quinta-feira, 9 de Outubro de 2008

triskaidekaphobia

 

O inverso da causa e efeito é precisamente a causa e o não efeito. Ora, se fizermos alguma coisa naturalmente e depois, consequentemente, evitarmos um desastre, continuaremos inevitavelmente a fazê-lo. Mas esta é a natureza dos actos supersticiosos. Evitamos o número treze, só para o caso de dar tanto azar como se diz. Quase todos os edifícios de escritórios e hotéis não têm o décimo terceiro andar ou mesmo o quarto número treze. Muitos aeroportos prescindem da décima terceira porta de embarque. Os próprios aviões não têm a décima terceira fila de bancos. A propósito, sabia que os italianos não têm sequer o número treze na lotaria. Ainda falando sobre os transalpinos: nas ruas de Florença, a casa situada entre o número doze e o número catorze está indicada com 12 ½ pois os florentinos são bastante supersticiosos. Aliás, um pouco por toda a Europa, muitas cidades não têm a décima terceira rua ou a décima terceira avenida. Por exemplo: em França, algumas pessoas da classe média alta que frequentam a alta-roda da sociedade são conhecidas por “catorzianos “ (do francês: quatorziens) para evitar que sejam eles os décimos terceiros convidados duma qualquer festa ou vernissage, salvando-se assim duma possível fatalidade. Na sua grande maioria, os supersticiosos não admitem sequer a entrada do número treze na sua vida, mesmo que seja uma experiência para descobrir se realmente o número treze dá ou não tanto azar. Triskaidekaphobia, como o nome indica, é a fobia ao número treze e foi assim denominado na Grécia Antiga. Este medo irracional e incomum ao número treze pode também ser aportuguesado para triscaidecafobia ou caso seja especificamente, e tão-somente, uma fobia às sextas-feiras treze, denomina-se parascavedecatriafobia. Ou então frigatriscaidecafobia, que é exactamente a mesma coisa. A persistência das superstições reside na prova de que, ao realizarmos um determinado acto, conseguimos evitar uma suposta desgraça.
 
Quando entornamos sal, temos a mania de atirar uma pitada para os nossos ombros pelo sim, pelo não. E qual é o resultado? Não há nenhuma desgraça! Ou quando deixamos uma tesoura entreaberta, vem logo outrem fechar o raio da tesoura. Já para não falar quando, propositadamente ou não, nos varrem os pés com uma vassoura e nós permanecemos solteiros. Quem será que um dia me varreu os pés? Bom, adiante. E depois são também as malas no chão, as hesitações quando passamos por debaixo dum escadote, os tais desvios de percurso para não nos cruzarmos com aquele gato preto que vem na nossa direcção, a substituição ou destruição de espelhos rachados ou partidos a fim de evitarmos sete anos de azar ou, também, a minha preferida de todas, o nunca apontar para as estrelas senão corremos o risco de que nos cresçam verrugas. Esta é divinal! Mas mais uma vez, eu pergunto: aconteceu alguma coisa depois de evitarmos tudo isto? Pois claro que não! Cá está, funciona! E pelo sim, pelo não, continuaremos sempre a fazê-lo. É que nós não queremos mesmo desafiar o fadário destino! Isso, e sem esquecermos aquelas mezinhas e expressões populares que me deixam baralhado: afinal para que servem mesmo as figas? Será apenas um esconjurador de malefícios ou um simples amuleto dos imbecis? Porém, lá damos por nós a intricar o polegar por entre o dedo indicador e a falangeta. Há ainda outra coisa que também me causa uma certa confusão: o que significa “cruzes-canhoto-lagarto-lagarto-lagarto”? Ainda me lembro que na primeira vez que disse isto, apenas repeti uma vez a palavra lagarto. Porém, veio logo um raio dum supersticioso corrigir-me e benzer-me. Na verdade, creio que existem muitos mais cautelosos do que supersticiosos. Como dizia aquela célebre canção dos Heróis do Mar: “eu cá não sou supersticioso mas o pai dela dá-me azar”. Assim, e tal como eu referi anteriormente: pelo sim, pelo não, resolvi não escrever o numeral de treze. Todavia, não me considero supersticioso, até porque acho que isso dá azar (!) 
 
Um abraço...
shakermaker
 
para ver: CatOnAHotThinRoof » PaulNewman
para ouvir: LookWhatTheCatDraggedIn » The Rolling Stones » ABiggerBang
blogjob por shakermaker às 00:00

ISOLAR POST | RECOLHER POST
Blog Widget by LinkWithin

»posts & blogjobs

» música menstrual

» o amor faliu

» dead man walking

» alive and kicking

» saudade amolece

» música para gente grisalh...

» penálti de cabeça #01

» café puro

» mais (es)perto da estupid...

» do caixão ao berço

» você bate no seu pc?!

» parebenizar & desvaloriza...

» bamboleo bambolea

» subindo paredes

» videoclip #05

» recycle bin

» saturday night sweat

» deixem-me em paz!

» working class hero

» a frase feita: o lugar-co...

» foram espinhos contra ros...

» há coisas que eu sei

» (quase) tudo sobre justiç...

» videoclip #04

» surrealizar por aí

» (com)postura corporal soc...

» todos juntos somos mais

» (quase) tudo sobre cortej...

» amor: um silêncio coniven...

» o cintilante não é brilha...

» a conspiração do semáforo

» as lesmas & as alfaces

» molhar as partes pudibund...

» presos pelo nariz

» dog bless america

» inferência das coincidênc...

» eu acredito no mosquito

» quem tem o gay na barriga...

» tira-nódoas vs tira-teima...

» um eco do prazer

» estou cansado de ser sexy...

» amor: reavivando a memóri...

» cosmética sexual #02

» cosmética sexual #01

» amor: brincando com o fog...

» cravados na mente

» o universo paralelo

» mistério do objecto invis...

» 7 e picos, 8 e coiso, 9 e...

» #33

»séquito & móinas

»insultar shakermaker

»feeds & não-sei-quê

»tags

» todas as tags