Domingo, 7 de Setembro de 2008

almas gémeas são uma seca

 

Dizem que Deus – o tal indivíduo que uns dizem que existe e outros tantos duvidam bastante da sua existência – ao criar cada alma deu-lhe uma forma arredondada. Uma esfera, portanto. De seguida, cortou-a em duas partes iguais e colocou cada uma num corpo diferente. Assim sendo, criou-se a ideia de que a alma gémea não é mais do que a nossa outra metade perdida e que todos quantos a procurarem por fim a encontrarão. Além disso, parece que cada alma tem por missão descobrir a metade que lhe falta, por isso o primeiro passo dessa busca épica é realmente acreditar na sua existência. Contudo, alguns defendem que o termo "alma gémea" é tão-somente uma mera invenção romântica e que o amor pode funcionar entre quaisquer pessoas por mais incompatibilidades que hajam entre ambos. Já outros garantem que todos temos, no mundo, uma pessoa que nos é predestinada: tese em que eu acredito piamente. Ou seja, apesar de achar que em qualquer parte do planeta Terra há mesmo alguém que me enche totalmente as medidas, tanto eu como qualquer pessoa no seu perfeito juízo vai procurar essa pessoa no país onde vive. Aliás, sejamos honestos nisto: procuramos na nossa cidade mas se possível ficamo-nos mesmo pela nossa própria freguesia.

 

Todavia, há também outro factor a ter em conta: sim senhor, podemos mesmo encontrar a tal mulher que sempre idealizámos e mais não sei o quê… Mas, então, e se ela for casada ou simplesmente comprometida? Creio que não vai ser fácil convencê-la que está com o homem errado e que nós, sim, somos a sua alma gémea. Porque será que partimos sempre do pressuposto que as nossas almas gémeas são também solteiras como nós? Ou, por outro lado, poderão as nossas almas gémeas ser divorciadas? Há ainda outro risco inerente a tudo isto: é que um solteiro que pensa ter encontrado a sua alma gémea numa divorciada tem que considerar que ela já falhou na sua busca pelo mesmo. Ou terá sido o ex-marido desta que se enganou? Pode até ter sido, no entanto ela também colaborou! Como se vê, não é fácil encontrar a nossa alma gémea, e agora pergunto eu: mas porque raio queremos nós fazê-lo? Faz-me confusão porque é que a maioria das pessoas faz questão de encontrar alguém tão compatível consigo próprio. Não sei se já perceberam o quão perigoso tudo isso pode ser... Como fazemos para enganar ou ludibriar alguém que também tem a nossa forma de estar e pensar? Tudo bem, pode-se mesmo apregoar que entre almas gémeas não existem essas situações conflituosas: mas então eu digo que ter uma alma gémea é uma grande seca.

 

Doutra forma, mesmo que encontremos alguém que nos preencha e complete, a coisa pode sempre dar para o torto mesmo que tenhamos a prova cientifica de que somos ambos almas gémeas. Numa briga entre duas almas gémeas, suponhamos que ele lhe grita: – Estou farto de ti, vou arranjar outra mulher! Ao que ela responde, convicta: – Então arranja outra mulher, mas sempre quero ver se te vais entender com ela… Ah, ah. Tu nem consegues ser feliz comigo que sou a tua alma gémea... Digam lá que isto não é desmotivante! Pronto, eu também não quero estar aqui a desencorajar quem acredita e procura a sua alma gémea, nem tão pouco defraudar quem acredita que vive com sua alma gémea mais-que-tudo mesmo que ela seja uma rameira ou ele um estafermo, até porque eu reconheço que também tenho uma alma gémea. Sim, acho que a minha alma gémea está algures no continente africano, mais concretamente na Eritreia. Eu que sei que ela existe, é cá um palpite, embora não saiba se ela sabe que eu existo, que também é outro palpite, mas como se percebe a distância é imensa. Logo, como o caminho é o mesmo, eu não me sinto na obrigação de o percorrer nem tão pouco para tal me sinto motivado. Uma coisa é certa, se ela vier ao meu encontro eu garanto que fujo.

 

Um abraço...

shakermaker

 

para ver: Juno » Ellen Page/Michael Cera
para ouvir: Some Folks Are Hollow por Ian Brown em The World Is Yours
blogjob por shakermaker às 00:00

ISOLAR POST | RECOLHER POST
Blog Widget by LinkWithin

»posts & blogjobs

» música menstrual

» o amor faliu

» dead man walking

» alive and kicking

» saudade amolece

» música para gente grisalh...

» penálti de cabeça #01

» café puro

» mais (es)perto da estupid...

» do caixão ao berço

» você bate no seu pc?!

» parebenizar & desvaloriza...

» bamboleo bambolea

» subindo paredes

» videoclip #05

» recycle bin

» saturday night sweat

» deixem-me em paz!

» working class hero

» a frase feita: o lugar-co...

» foram espinhos contra ros...

» há coisas que eu sei

» (quase) tudo sobre justiç...

» videoclip #04

» surrealizar por aí

» (com)postura corporal soc...

» todos juntos somos mais

» (quase) tudo sobre cortej...

» amor: um silêncio coniven...

» o cintilante não é brilha...

» a conspiração do semáforo

» as lesmas & as alfaces

» molhar as partes pudibund...

» presos pelo nariz

» dog bless america

» inferência das coincidênc...

» eu acredito no mosquito

» quem tem o gay na barriga...

» tira-nódoas vs tira-teima...

» um eco do prazer

» estou cansado de ser sexy...

» amor: reavivando a memóri...

» cosmética sexual #02

» cosmética sexual #01

» amor: brincando com o fog...

» cravados na mente

» o universo paralelo

» mistério do objecto invis...

» 7 e picos, 8 e coiso, 9 e...

» #33

»séquito & móinas

»insultar shakermaker

»feeds & não-sei-quê

»tags

» todas as tags