Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2008

os melhores cumprimentos

 

Um homem duma agência funerária recorre a Don Vito Corleone para este lhe conceder justiça em nome da sua filha. Porém, numa primeira abordagem, não trata o Don com o devido respeito que lhe é merecido, chegando mesmo a insultá-lo quando lhe oferece dinheiro pelo favor que estava a pedir. Nisto, Corleone faz um ligeiro discurso, em boa parte imperceptível devido à forma peculiar como expele as palavras cá para fora, enquanto afaga o gato que tem no colo. Depois, e perante a insistência do cangalheiro, levanta-se e coloca o gato em cima da mesa, e dirige-se à janela, dizendo: “What have I ever done to make you treat me so disrespectfully?” Então, o agente fúnebre de modo a receber o favor, finalmente, trata Don Corleone por Godfather e beija-lhe a mão direita como sinal de respeito. Esta é uma das cenas mais inesquecíveis do cinema, embora à primeira vista pareça ser tão banal como qualquer outra cena nestes parâmetros. Tanto na vida real como na tela do cinema, o respeito pelo próximo, seja ele quem for, é fundamental para qualquer relacionamento. Ainda para mais quando estamos perante uma situação de súplica: embora isso não signifique que nos devemos penitenciar sem que os outros nos peçam nem tão pouco implorar pelo seu indulto. Neste pequeno, mas épico, trecho de cinema existem várias coisas a reter: Corleone está sentado na sua poltrona por detrás duma secretária, afagando o gato no colo, enquanto fala pausadamente – o que demonstra serenidade e calma perante o seu visitante – e que, só por si, é um sinal de respeito para com este. Além disso, tanto a poltrona como a secretária, estão lá como que a representar o poder ou alguém que está em situação de o exercer. O gato que é afagado no seu colo, serve para manifestar que Corleone é uma pessoa afectuosa e que cuida dos seus desde que estes queiram ser tratados por si. Finalmente, quando o Padrinho se levanta e dirige-se para perto da janela, permanecendo de costas voltadas, não só o faz para mostrar todo o seu descontentamento com aquela situação, como também o faz para exercer uma posição altiva e sobranceira perante o seu visitante, que permanece sentado. Isto porque, sempre que achamos que não estamos a ter o respeito que merecemos, devemos então demonstrar todo o nosso desagrado, nunca duma forma brusca ou agressiva mas sim com a devida soberba de quem tem consciência da sua dignidade. É tudo isto que se retém desta sequência tão emblemática da história do cinema, na qual somos não só observadores, mas também parte integrante: tal como Sonny, o filho mais velho de Don Vito Corleone, que nesta cena testemunha todo aquele cortejo deferente e reverente protagonizado pelo seu pai. Agora, o bom costume: uma família impõe mais respeito com o trato do que com as armas. Porém, caso seja necessário recorrer ao uso da força ou mesmo ao estoiro da pólvora, há que fazê-lo com o devido respeito e com os melhores cumprimentos. Buona Sera!

 

Um abraço...

shakermaker

para ver: The Godfather » Marlon Brando
para ouvir: Street Fighting Man por The Rolling Stones em BeggarsBanquet
blogjob por shakermaker às 00:00

ISOLAR POST | DESANCAR POST | RECOLHER POST
4 LINCHAMENTOS:
De noivo a 19 de Fevereiro de 2008 às 16:54
e sempre nos melhores costumes da máfia:)
De Danni a 19 de Fevereiro de 2008 às 17:07
A linguagem corporal diz muito, sem que disso nos apercebamos. Saber utilizá-la é meio caminho andado para induzir respostas no nosso interlocutor. Jinhos e um excelente resto de semana
De Humana Estúpida a 20 de Fevereiro de 2008 às 18:00
Grande post!Tem muitas linhas...
De elisa... a 30 de Março de 2008 às 11:47
Uma bela dicertação, não teria dito melhor...
E já reparaste que aqueles que desrespeitam os outros...
também se desrespeitam a si?!
A preposito...
è uma menina e quanto ao semestre passei a todas...
um doce beijo para ti meu amigo...

desancar shakermaker

Blog Widget by LinkWithin

»posts & blogjobs

» música menstrual

» o amor faliu

» dead man walking

» alive and kicking

» saudade amolece

» música para gente grisalh...

» penálti de cabeça #01

» café puro

» mais (es)perto da estupid...

» do caixão ao berço

» você bate no seu pc?!

» parebenizar & desvaloriza...

» bamboleo bambolea

» subindo paredes

» videoclip #05

» recycle bin

» saturday night sweat

» deixem-me em paz!

» working class hero

» a frase feita: o lugar-co...

» foram espinhos contra ros...

» há coisas que eu sei

» (quase) tudo sobre justiç...

» videoclip #04

» surrealizar por aí

» (com)postura corporal soc...

» todos juntos somos mais

» (quase) tudo sobre cortej...

» amor: um silêncio coniven...

» o cintilante não é brilha...

» a conspiração do semáforo

» as lesmas & as alfaces

» molhar as partes pudibund...

» presos pelo nariz

» dog bless america

» inferência das coincidênc...

» eu acredito no mosquito

» quem tem o gay na barriga...

» tira-nódoas vs tira-teima...

» um eco do prazer

» estou cansado de ser sexy...

» amor: reavivando a memóri...

» cosmética sexual #02

» cosmética sexual #01

» amor: brincando com o fog...

» cravados na mente

» o universo paralelo

» mistério do objecto invis...

» 7 e picos, 8 e coiso, 9 e...

» #33

»séquito & móinas

»insultar shakermaker

»feeds & não-sei-quê

»tags

» todas as tags