Quinta-feira, 1 de Março de 2007

a mentecapta #01

 

Sabes, devias abrandar, porque o fim pode não ser tão divertido como o início. Pensa no que fizeste e como podes emendar o que pretendes fazer. Não vais conseguir esconder-te do amor pois se for realmente verdadeiro vai encontrar-te e prender-te pelos tornozelos. E quando estiveres apaixonada não podes desistir de lutar ou arriscas-te a ficar de mãos vazias. Uma mentecapta como tu precisa de alguém para correr atrás e quando tu realmente quiseres pode ser tarde demais pois ninguém espera por ti. Já ouviste falar de amor incondicional mas ainda pensas que só cai quem tropeça nos seus próprios pés. Depois achas que és muito tesa só porque nunca te perdeste pelo caminho, mas não há nada como saber em vez de parecer. Nunca te preocupas com nada e achas que por seres bonita nada tens a temer. Devias ter em conta que ainda tens muito que aprender e tão pouco para ensinar. E que o amor, esse mesmo que pensas que sentes, é algo que precisas entender antes de o praticar.

 

Todos os teus problemas vêm de ti, sempre que ninguém te magoa, sem que alguém queira saber. E desde que lhes proporciones um bocado bem passado, um adeus é a única palavra que te merece resposta. As coisas que fazes e não ponderas fazer não te mostram o queres nem te perguntam se querias. Quando julgas não estar satisfeita, não mais podes recorrer, e vives como quem pediu mas não gosta do que tem. Lembras-te de como devias prever que acontecesse mas esqueces-te que nada se realiza quando não estás incluída. E todas aquelas coisas que costumavas fazer, que te faziam sorrir e te davam prazer, agora têm um preço elevado a pagar. Os teus sonhos não são mais que meras interrupções no teu sono quando alguém te deixa dormir. Mas tu sabes que nada volta a ser como dantes e percebes que onde tudo começou não era suposto sequer começar. Porque quando os olhos não vêem e o coração não sente, a mente capta.

 

Um abraço...

shakermaker

para ver: ElLaberintoDelFauno » del Toro
para ouvir: In My Secret Life por Leonard Cohen em Ten New Songs
blogjob por shakermaker às 00:00

ISOLAR POST | DESANCAR POST | RECOLHER POST
2 LINCHAMENTOS:
De Carmen a 1 de Março de 2007 às 22:15
Olá Caro Shakermaker,
Posto a escrever você é mesmo uma formiguinha a fabricar palavras sem parar... e que bom para nós os leitores ávidos dos frutos da sua imaginação desbordante...
Continue
Um abraço
De Mariana a 5 de Março de 2007 às 14:28
Ninguém ama outrem se não se amar a si próprio.

desancar shakermaker

Blog Widget by LinkWithin

»posts & blogjobs

» música menstrual

» o amor faliu

» dead man walking

» alive and kicking

» saudade amolece

» música para gente grisalh...

» penálti de cabeça #01

» café puro

» mais (es)perto da estupid...

» do caixão ao berço

» você bate no seu pc?!

» parebenizar & desvaloriza...

» bamboleo bambolea

» subindo paredes

» videoclip #05

» recycle bin

» saturday night sweat

» deixem-me em paz!

» working class hero

» a frase feita: o lugar-co...

» foram espinhos contra ros...

» há coisas que eu sei

» (quase) tudo sobre justiç...

» videoclip #04

» surrealizar por aí

» (com)postura corporal soc...

» todos juntos somos mais

» (quase) tudo sobre cortej...

» amor: um silêncio coniven...

» o cintilante não é brilha...

» a conspiração do semáforo

» as lesmas & as alfaces

» molhar as partes pudibund...

» presos pelo nariz

» dog bless america

» inferência das coincidênc...

» eu acredito no mosquito

» quem tem o gay na barriga...

» tira-nódoas vs tira-teima...

» um eco do prazer

» estou cansado de ser sexy...

» amor: reavivando a memóri...

» cosmética sexual #02

» cosmética sexual #01

» amor: brincando com o fog...

» cravados na mente

» o universo paralelo

» mistério do objecto invis...

» 7 e picos, 8 e coiso, 9 e...

» #33

»séquito & móinas

»insultar shakermaker

»feeds & não-sei-quê

»tags

» todas as tags