Quinta-feira, 25 de Janeiro de 2007

carmelitas descalças

 

Embora tendo já uma opinião formada sobre o assunto desde há muito tempo, tenho aproveitado a ocasião para continuar a esclarecer-me sobre a questão do aborto. Nomeadamente, assistindo aos vários debates que têm sido apresentados na televisão, bem como lendo também alguns artigos de opinião na imprensa. Porém, em todos estes ciclos de debates e despiques das várias opiniões, vejo com alguma estranheza em todos os mencionados que os religiosos são os mais fervorosos adeptos da continuação da lei actual quanto ao aborto. Vejamos, porque raio estão os padres e outros membros da igreja católica tão interessados para que o NÃO vença no referendo? Serão os padres os indivíduos mais indicados para falar sobre questões tão penosas para estes como a sexualidade? Creio que é demasiado descaramento, virem estes supostos representantes dos bons costumes opinar sobre reprodução e planeamento familiar como se fossem muito entendidos no assunto. Eu até tolerava se fossem as freiras a defender com unhas e dentes a sua opinião, mesmo sabendo que estas também pouco ou nada percebem do assunto. Isto porque, tratando-se de mulheres, haveria uma certa lógica em defenderem conscientemente os seus pontos de vista. Agora, os padres? Mas quem é que estes fulanos pensam que são? Ainda para mais, com a agravante de estarem a tentar convergir os seus paroquianos com sermões absurdos para que estes não votem no SIM. Todos nós já sabemos qual a opinião da igreja nesta questão, todavia é deveras imparcial que se permita que os padres preguem as suas crenças de modo a influenciar a opinião pública. As campanhas a favor e contra a lei vigente do aborto estão agora a começar, contudo a campanha católica há muito que já saiu do adro da igreja. Logo, já leva uma larga vantagem pois, como é habitual, à igreja tudo se permite e todos lhes encolhem os ombros. Acho lamentável ver um padre falar na televisão sobre sexualidade e se tivesse oportunidade perguntava a um desses representantes da igreja se estão mais preocupados em proteger o livre arbítrio das mulheres ou, por outra, estão antes preocupados com a debandada de mulheres que até agora têm procurado refúgio para as suas gravidezes nos conventos e mosteiros deste país. Para quem não sabe, a maioria das parteiras de Portugal são freiras e por conseguinte as mulheres que elas fazem abortar também são potenciais carmelitas descalças. Ou seja, na minha opinião, os clérigos parecem estar mais preocupados em garantir que os seus conventos continuem abastados de mulheres. E de preferência, com jovens tenras ainda.

 

Um abraço...

shakermaker 

 

para ver: Saraband » Ingmar Bergman
para ouvir: Bigmouth Strikes Again por The Smiths em The Queen Is Dead
blogjob por shakermaker às 00:00

ISOLAR POST | DESANCAR POST | RECOLHER POST
14 LINCHAMENTOS:
De maria joão a 25 de Janeiro de 2007 às 10:16
100% correcto, assim mesmo, concordo em pleno.
De Cláudia Oliveira a 25 de Janeiro de 2007 às 10:49
Ninguém liga á igreja, eles têm de se fazer sentir notados... Coitados
De Amanda a 25 de Janeiro de 2007 às 11:08
Pois, há coisas que parecem uma anedota (antes fossem)

Primeiro a culpada de engravidar será sempre vista pela sociedade, como unica e exclusivamente, a parte feminina e depois dão a voz ao lado masculino que prega não poder ter actos sexuais... ok! só mesmo sendo anedota é que se consegue explicar!

Há realmente coisas que por mais que tente não consigo perceber...

Beijoka
De sky a 25 de Janeiro de 2007 às 11:54
ola, ja a algum tempo k dou 1 salto aki sempre k posso! mas é a 1ª vez k comento, pk n podia estar mais de acordo ctg! bj*
De Marx a 25 de Janeiro de 2007 às 23:38
Há aqui uma questão de fundo com a qual, se mo permite, não concordo. Que é a de enunciar, desde logo, que a Igreja não se deve pronunciar sobre o tema da IVG a referendar. Ora, creio que é exigível à Igreja que o faça. Já que o que está em causa, na perspectiva, necessariamente moral, em que se coloca, é a vida. Neste sentido, a Igreja terá obrigações, com os seus fieis e com a sociedade em geral, que a obrigam a pronunciar-se.

Se o faz, ou tem feito, com propriedade, já será uma outra questão. Já não de fundo, mas meramente de forma.

(Já agora, não sabia que o aborto ilegal é um niche market para as freiras. Nem que as carmelitas se calcem com as clientes. Depois de devidamente shakado , já fico com dúvidas sobre a liquidez da coisa...)
De Noivo a 26 de Janeiro de 2007 às 15:15
estamos a ficar mais radicais?
De Tulipa_negra a 27 de Janeiro de 2007 às 12:48
Hello Shaker :P

Concordo com tudo o q disses.te e lamento muito muito mesmo que assim seja. Espero q seja desta :)
De Carmen a 27 de Janeiro de 2007 às 17:24
Olá Shakermaker, peço desculpa de utilisar o seu blog para informar o máximo possivel de leitores que frequentam o meu blog que Windows Live Spaces censurou o Carmen Femme Carmen Mère Carmen tout court e me impede neste momento o acesso ao meu próprio site... o objecto do conflicto serão os meus poemas e os nus artisticos que publico que segundo eles não estão conformes ao código de conduta!!!!!
Primeiro pensei que fosse uma enorme brincadeira de mau gosto da parte de um engraçadinho mas o facto é que hoje, sabado dia 27 de Janeiro de 2007 eu não consigo aceder ao meu blog!!!!!!!!! que a Microsoft costumer support censure assim o meu blog no século 21 parece-me inacreditavel e irreal!! Se você é um leitor assiduo do meu blog e gosta do que publico então passe a palavra a todos os que conhece para que escrevam em meu favor à Equipa do Windows live spaces para que rectifiquem esta tão grande injustiça que cometem para comigo!!!
OBRIGADA
Carmen
De Sílvia a 27 de Janeiro de 2007 às 17:43
Votei sim da outra vez e votarei sim desta. Bom fim de semana... quentinho de preferência!
http://sunshine.blogs.sapo.pt/
De MalucaResponsavel a 27 de Janeiro de 2007 às 19:51
Ola... isso tudo é p estares aborrecido com a hipocrisia existente neste assunto?bj

desancar shakermaker

Blog Widget by LinkWithin

»posts & blogjobs

» música menstrual

» o amor faliu

» dead man walking

» alive and kicking

» saudade amolece

» música para gente grisalh...

» penálti de cabeça #01

» café puro

» mais (es)perto da estupid...

» do caixão ao berço

» você bate no seu pc?!

» parebenizar & desvaloriza...

» bamboleo bambolea

» subindo paredes

» videoclip #05

» recycle bin

» saturday night sweat

» deixem-me em paz!

» working class hero

» a frase feita: o lugar-co...

» foram espinhos contra ros...

» há coisas que eu sei

» (quase) tudo sobre justiç...

» videoclip #04

» surrealizar por aí

» (com)postura corporal soc...

» todos juntos somos mais

» (quase) tudo sobre cortej...

» amor: um silêncio coniven...

» o cintilante não é brilha...

» a conspiração do semáforo

» as lesmas & as alfaces

» molhar as partes pudibund...

» presos pelo nariz

» dog bless america

» inferência das coincidênc...

» eu acredito no mosquito

» quem tem o gay na barriga...

» tira-nódoas vs tira-teima...

» um eco do prazer

» estou cansado de ser sexy...

» amor: reavivando a memóri...

» cosmética sexual #02

» cosmética sexual #01

» amor: brincando com o fog...

» cravados na mente

» o universo paralelo

» mistério do objecto invis...

» 7 e picos, 8 e coiso, 9 e...

» #33

»séquito & móinas

»insultar shakermaker

»feeds & não-sei-quê

»tags

» todas as tags